Centro Educacional Reeducar

Centro Educacional Reeducar

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

RECONHECENDO ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO

RECONHECENDO ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO
Neiva Regina Luz Andrighetti1
Ibrahim Georges Cecyn Moussa2
RESUMO
Este artigo tem como objetivo principal apresentar algumas considerações sobre as
dificuldades enfrentadas pelos professores na identificação e atendimento adequado aos
alunos portadores de altas habilidades/superdotação. O professor precisa estar muito bem
preparado para identificar alunos com altas habilidades/superdotação. Ter o aporte teórico
para embasar sua prática pedagógica, de forma adequada, às necessidades dos alunos que
apresentam tais habilidades. O conhecimento é necessário para que os educadores não
confundam os mesmos com crianças que aprestam transtorno de déficit de atenção com ou
sem hiperatividade. O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica em função do curto
espaço de tempo para uma pesquisa de campo. A Pesquisa comprovou a importância da
utilização de recursos materiais e humanos compatíveis com as necessidades apresentadas
pelos portadores de altas habilidades/superdotação.
Palavras-chave: Altas habilidades; Superdotação; Desenvolvimento; Aprendizagem
INTRODUÇÃO
Ao identificar as dificuldades enfrentadas pelos professores em sala de aula observase
que as Altas Habilidades/Superdotação estão entre um dos grandes vilões que influenciam
nas relações familiares e escolares, repercutindo na aprendizagem da criança. Reconhecer
que essas crianças merecem um atendimento à altura de suas potencialidades não é tarefa
fácil, pois, muitas vezes pela deficiência de conteúdos apropriados as aulas se tornam
cansativas provocando o desinteresse do aluno.
Os professores precisam estar muito bem preparados primeiro para identificar que o
aluno possui altas habilidades ou superdotação e não cair no erro de classificá-lo como
hiperativo. Segundo, ao identificar o aluno como possuidor de altas habilidades, oferecer
condições para realizar um trabalho que contribua com o desenvolvimento desse aluno
direcionando-o ao sucesso e não ao fracasso ou estagnação. Após identificar o aluno como
portador de altas habilidades ou superdotado, o professor precisa buscar recursos e condições
favoráveis que contribuam para uma convivência saudável com os colegas e que pesem mais
as implicações positivas, favorecendo assim as interações e a integração no contexto escolar.
Assim sendo, esta pesquisa tem relativa importância no sentido de identificação dos
portadores de altas habilidades/superdotação e contribuir com essas crianças para uma
aprendizagem significativa e em caso da impossibilidade, caso isso ocorra, então que
contribua para o encaminhamento a uma escola que ofereça condições para o
desenvolvimento dessas potencialidades.
A falta de um planejamento que atenda essas potencialidades pode ser considerada
como um fator excludente e muitas vezes responsável pela discriminação da criança que
normalmente é tratada como hiperativa ou sem limites. Cabe ao educador buscar formas de
contribuir com o desempenho dessas crianças e favorecer uma relação aluno/escola/família
que mantenha esse aluno numa dinâmica de motivação.
Para uma melhor compreensão do tema, a pesquisa desenvolveu-se conforme os
objetivos abaixo relacionados:
O artigo “O desenvolvimento das Altas Habilidades/Superdotação em sala de aula”
procura apresentar as características dessas crianças para que possam ter um desempenho a
contento e evoluam na construção do conhecimento de forma que mantenham suas
características como fator positivo e possam, também, avançar na aprendizagem, sem ter o
seu processo de ensino/aprendizagem retardado em função do acompanhamento dos demais
colegas.
A literatura apresenta as normas lançadas pelo MEC, que criou núcleos em todos os
estados para assessorar as escolas que tenham essa clientela. É necessário, pois, que a escola
e a família se unam e busquem formas adequadas de trabalho para essas crianças,
proporcionando o atendimento das suas necessidades particulares de aprendizagem e criando
oportunidades para que se sintam inseridas num ambiente adequado, digno de suas
capacidades e jamais discriminadas.
MÉTODO
O artigo buscou pesquisar referências em função do curto espaço de tempo para
realizar uma pesquisa de campo. Os autores, com grande experiência, apontam que
professores e pais trilhem caminhos paralelos que contribuam com a identificação e o
desenvolvimento dos alunos superdotados. Sabe-se que na realidade de nossas escolas há
muito o que se questionar sobre o tema pois, hoje, se uma criança apresenta qualquer
inquietação, desrespeitando comandos ou ordens, já é taxada de hiperativa, o que nem
sempre se pode concordar uma vez que uma criança portadora de altas
habilidades/superdotada está sempre à frente dos colegas, está sempre buscando e exigindo
mais atividades e conteúdos.
O estudo procurou recursos que o professor poderá se apropriar em sala de aula e as
intervenções possíveis para que a criança tenha um desenvolvimento compatível com o seu
tempo e com as suas necessidades intelectuais.
O desenvolvimento das Altas Habilidades/Superdotação em sala de
aula
De acordo com as leituras, “o conceito de altas habilidades/superdotação tem mudado
ao longo do tempo e assume diferentes conotações, conforme a cultura” (Chagas, 2007 apud
Solow, 2001). Para comprovar, a autora fala que na cultura mexicana o conceito de altas
habilidades é expresso por um conjunto de habilidades enquanto que o termo “gifted em inglês
sugere que habilidade superior é um dom sobrenatural ou uma dádiva divina” (Chagas,2007
apud Virgolim, 1997;Winner,1998). Altas habilidades e superdotação são termos utilizados
aqui no Brasil, onde altas habilidades está mais ligado ao desempenho enquanto que
‘superdotado’ sugere habilidades extremas. Os vários conceitos somado aos mitos e
preconceitos existentes dificultam tanto o entendimento sobre esse assunto como também o
atendimento adequado ao indivíduo com altas habilidades/superdotado.
Zevallos descreveu no site Guia Infantil, comportamentos que os pais devem observar,
os quais identificam se a criança é superdotada:
1- Dorme pouco.
2- Aprende a ler em curto espaço de tempo.
3- Fala sua primeira palavra com seis meses.
4- Diz sua primeira frase com 12 meses.
5- Mantém uma conversação entre 18 e 24 meses.Vocabulário impróprio para sua
idade.
6- Aprende o abecedário e conta até 10 aos dois anos e meio.
7- Resolve mentalmente problemas de soma e subtração até 10 com três anos.
8- Pergunta por palavras que não conhece desde os três anos.
9- Faz perguntas exploratórias com pouca idade.
10- Alta capacidade criativa.
11- Possui uma alta sensibilidade do mundo que o rodeia.
12- Preocupação com assuntos de moralidade e justiça.
13- Enérgico e confiante em suas possibilidades.
14- Muito observador e aberto a situações não usuais.
15- Muito crítico consigo mesmo e com os demais.
16- Grande capacidade de atenção e concentração.
17- Gosta de relacionar-se com as crianças de maior idade.
18- Baixa autoestima com tendências à quadros depressivos.
19- Se aborrece na sala de aula porque suas capacidades superam os programas de
estudos convencionais.
20- São, aparentemente, muito distraídos.(sic)
21- Seu pensamento é produtivo mais que reprodutivo.Baseiam-se na construção das
coisas. (sic)
22- Tem muito pouca motivação para com o professor.
23- Chegam a sentir-se incompreendidos, estranhos.(sic)
24- São independentes e introvertidos.(sic)
As características comportamentais acima descritas são informações importantes que
os pais devem fornecer à escola para que esta por sua vez, possa agir adequadamente.
Sabe-se que os alunos com altas habilidades/superdotados nem sempre apresentam
um comportamento adequado ou o mesmo interesse por todas as disciplinas. O interesse por
uma determinada disciplina provoca muitas vezes o desinteresse por outras também
importantes. O mau comportamento também pode ser um indicativo de altas habilidades, pois
uma vez que o aluno tem facilidade de compreensão e assimilação dos conteúdos, logo se
cansa, pois o tempo deles é diferente dos demais colegas.
O acima exposto vem derrubar os mitos da genialidade e da não dependência do
professor, ou seja, têm altas habilidades mas não são o máximo em tudo e também dependem
do suporte do professor.
Para facilitar a identificação desses alunos o MEC preparou uma lista com
descrições/características. Entende o MEC que o aluno que apresentar consistentemente várias
características descritas abaixo, pode ter altas habilidades.
Características listadas pelo MEC (RODRIGUES: 2009)
1. Aprende fácil e rapidamente.
2. É original, imaginativo, criativo, não convencional.
3. Está sempre bem informado, inclusive em áreas não comuns.
4. Pensa de forma incomum para resolver problemas.
5. É persistente, independente, autodirecionado (faz coisa sem que seja mandado).
6. Persuasivo, é capaz de influenciar os outros.
7. Mostra senso comum e pode não tolerar tolices.
8. Inquisitivo e cético, está sempre curioso sobre o como e o porquê das coisas.
9. Adapta-se com bastante rapidez a novas situações e a novos ambientes.
10. É esperto ao fazer coisas com materiais comuns.
11. Tem muitas habilidades nas artes (música, dança, desenho ).
12. Entende a importância da natureza (tempo, Lua, Sol, estrelas, solo).
13. Tem vocabulário excepcional, é verbalmente fluente.
14. Aprende facilmente novas línguas.
15. Trabalhador independente.
16 Tem bom julgamento, é lógico.
17. É flexível e aberto.
18. Versátil, tem múltiplos interesses, alguns deles acima da idade cronológica.
19. Mostra sacadas e percepções incomuns.
20. Demonstra alto nível de sensibilidade e empatia com os outros.
21. Apresenta excelente senso de humor.
22. Resiste à rotina e à repetição.
23. Expressa ideias e reações, frequentemente, de forma argumentativa.
24. É sensível à verdade e à honra.
Uma criança com altas habilidades/superdotação não apresenta, necessariamente,
todos os indicadores, mas apresentará muitos deles, daí pois a necessidade de pais e
professores estarem atentos para a identificação desses indicadores e consequentemente
poderem auxiliar no desenvolvimento cognitivo, afetivo além de contribuir para que essas
crianças interajam com seus colegas de forma positiva.
Para a conceituação mais precisa das altas habilidades tem-se que considerar o
contexto onde o indivíduo está inserido como segundo Chagas, p. 16, “fatores ambientais
(ligados à família, ao sistema educacional e aos valores socioculturais) com traços
individuais como coragem, criatividade, motivação intrínseca, intuição, caráter e
autopercepção”.
O papel da família para o bem estar e desenvolvimento da criança com altas
habilidades é fundamental, pois muitas vezes, em função das características acima
apresentadas, há uma tendência de confundi-los com TDAH. Nesse sentido, é extremamente
importante que os pais mantenham um contato constante com a escola e também com
profissionais competentes (psicólogos) que possam auxiliar na identificação da melhor forma
de conduzir a criança para o sucesso.
O psicólogo “deve adotar uma postura de pesquisador, de investigador, com um olhar
aguçado de bom observador, de modo a realizar uma leitura mais objetiva dos dados
coletados”. (GUIMARÃES, 2007, p.79)
O papel do professor também é fundamental para a identificação das altas habilidades,
pois através da observação e dos recursos possíveis ele pode identificar a participação
destacada do aluno e assim estimular e facilitar o desenvolvimento do mesmo.
Os superdotados caracteriza-se por três traços marcantes que são: Criatividade,
capacidade acima da média e envolvimento com as tarefas. (CHAGAS, 2007)
Alencar (2007, p.157) sugere aos professores, estratégias que tornem as aulas
prazerosas e instigantes para serem trabalhadas com os alunos:
a) Não se restrinja a exercícios e atividades que possibilitem apenas uma única
resposta correta. Utilize também exercícios que instiguem os alunos serem o mais
original possível em suas respostas.
b) Valorize as ideias originais de seus alunos.
c) Uma ideia original é apenas o primeiro passo. Lembre os alunos da importância de
rever e refinar as ideias criativas.
d) Encoraje os alunos a apresentar e defender as suas ideias.
e) Acentue o que cada aluno tem de melhor e informe-o sobre os seus “pontos fortes”.
f) Desenvolva atividades que requeiram dos alunos iniciativa e independência.
g) Estimule a curiosidade dos alunos por meio das tarefas propostas em sala de aula.
h) Faça perguntas desafiadoras, que motivem os alunos a pensar e raciocinar.
i) Dê tempo aos alunos para pensar e desenvolver ideias novas.
j) Dê chances aos alunos para discordar de seus pontos de vista.
k) Diversifique as metodologias de ensino utilizadas em sala de aula.
l) Instigue nos alunos a confiança em suas competências e capacidades.
m) Exponha os alunos apenas a críticas construtivas.
n) Estimule os alunos a utilizar as técnicas de resolução criativa de problemas (como
tempestade de ideias) nos seus projetos de ciência, atividades artísticas e redação, com
vistas a alcançar um produto mais criativo.
o) Exponha os alunos a vários tipos de tarefas e atividades que requeiram tanto o uso
do pensamento criativo quanto de outras habilidades, como análise, síntese e
avaliação.
p) Ajude os alunos a se libertarem do medo de cometer erros, manifestando tolerância
e respeito pelas suas ideias, questões e produções.
q) Proteja as produções dos alunos da crítica destrutiva e da zombaria dos colegas.
r) Reconheça que a criatividade incorpora uma variedade de processos(resolução de
problemas, pensamento divergente, pensamento convergente) e uma série de fatores
motivacionais e de personalidade (autoconceito, autoconfiança, curiosidade,
flexibilidade, motivação intrínseca).
s) Elogie os esforços e a persistência de seus alunos na realização das tarefas
propostas.
t) Incentive os alunos a ampliar o seu conhecimento a respeito de tópicos que sejam do
seu interesse.
u) Cultive em sala de aula um clima de descontração, afeto, compreensão e confiança,
de tal modo que os alunos se sintam à vontade para se expressar, compartilhar ideias e
questionar, interessados em cooperar no projeto educativo.
v) Lembre-se que os alunos expressam de forma mais plena as suas habilidades
criativas quando realizam atividades que lhes dão prazer. Como manter vivo o prazer
de aprender deve ser alvo de atenção de todos os professores, é relevante também que
os alunos percebam em seus professores o prazer de aprender que caracteriza o
docente que tem uma relação amorosa com o conhecimento,com as disciplinas sob sua
responsabilidade. Essa relação amorosa é chamada por Renzulli (1992) de ‘romance
com a disciplina’, apontada por ele como uma das características centrais do professor
que promove o desenvolvimento da produtividade criativa em seus alunos.
Para os gestores, Alencar (2007, p. 158) sugere para:
a) Encorajar os professores a experimentar novas práticas pedagógicas.
b) Evitar sobrecarregar o professor com tarefas pouco relacionadas às atividades
docentes.
c) Respeitar opiniões divergentes das suas.
d) Facilitar a comunicação entre os professores e a troca de experiências bemsucedidas.
e) Promover na escola um clima de respeito, confiança e estímulo ao trabalho docente.
f) Compartilhar com os professores livros e artigos relacionados à criatividade e ao
modo de promovê-la na vida pessoal e profissional.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A bibliografia pesquisada apresenta três traços marcantes na identificação dos
superdotados: capacidade acima da média, criatividade e envolvimento com as tarefas.
Entende-se que estes aspectos são pontos de partida para aprofundar a identificação de outras
características apresentadas neste artigo, que comprovam as altas habilidades/superdotação.
Daí a importância da relação família/escola para a identificação de outros comportamentos
característicos que a criança apresenta e que são determinantes para a superdotação. As
estratégias apresentadas neste artigo contribuem para que os professores ao identificarem um
superdotado, construam suas aulas com conteúdos que estimulem estes alunos e que os
mesmos tenham um desenvolvimento à altura de suas potencialidades. Entende-se, pois, que
atividades as quais desenvolvam a criatividade, instiguem, questionem, desafiem o
pensamento além da valoração dos pontos fortes, da flexibilidade, da diversidade de
metodologias são estratégias importantes para serem utilizadas, tornando as aulas prazerosas
e interessantes.Tanto o professor quanto o aluno com altas habilidades/superdotação merecem
recursos e condições mínimas necessárias para o desenvolvimento adequado, podendo esse
aluno ter uma convivência saudável interagindo positivamente com toda a comunidade
escolar e assim sendo, ter condições de construir uma aprendizagem significativa. Vale
10
lembrar também a importância do trabalho conjunto entre escola e família para que juntos
possam contribuir com o bem-estar do aluno e que se faça cumprir a legislação vigente.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, Eunice M. L. Soriano de. O papel da escola na estimulação do talento criativo.
In: FLEITH, Denise de Souza; ALENCAR,Eunice M.L. Soriano de(Org.). Desenvolvimento
de Talentos e Altas Habilidades – Orientação a pais e professores. Porto Alegre:Artmed,
2007. p. 151-161.
ANDRÉS, Aparecida. Educação de Alunos Superdotados/Altas Habilidades-Legislação e
Normas Nacionais - Legislação e Normas Internacionais. Biblioteca Digital da Câmara dos
Deputados. 2010. Disponível em :
http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/3202/educacao_alunos_aparecida.pdf?
sequence=1 Acesso em 30.05.11
CHAGAS, Jane Farias. Conceituação e fatores individuais, familiares e culturais relacionados
às altas habilidades. In: FLEITH, Denise de Souza; ALENCAR,Eunice M.L. Soriano
de(Org.). Desenvolvimento de Talentos e Altas Habilidades – Orientação a pais e
professores. Porto Alegre:Artmed, 2007. p. 15-23.
GUIMARÃES, Tânia Gonzaga. Avaliação psicológica de alunos com altas habilidades. In:
FLEITH, Denise de Souza; ALENCAR,Eunice M.L. Soriano de(Org.). Desenvolvimento de
Talentos e Altas Habilidades – Orientação a pais e professores.Porto Alegre:Artmed,2007.
p. 79-85.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Cartilha Altas Habilidades P65. Projeto Escola Viva -
Garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola -Alunos com
necessidades educacionais especiais. Brasília, Secretaria de Educação Especial, 2002.
Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me000452.pdf Acesso
em 03.07.10.
RODRIGUES, Cinthia. Como atender alunos com altas habilidades. Revista Nova Escola,
São Paulo, n. 224, p. 86-89, agosto 2009.
ZEVALLOS, Pablo. Como posso saber se meu filho é uma criança superdotada.
Disponível em: hhttp://br.guiainfantil.com/aprendizagem/69-como-posso-saber-se-meu-filhoe-
uma-crianca-superdotada.html. Acesso em 23.05.11.

Nenhum comentário:

Postar um comentário